banner
Segurança Interna (Criminalidade)

Criminalidade
  • Durante o ano de 2012 a Guarda Nacional Republicana (GNR), a Polícia de Segurança Pública (PSP) e a Polícia Judiciária (PJ) registaram 395.827 participações de natureza criminal.
  • Face a 2011 existiu um decréscimo de 2,3% no número de crimes participados, onde o número de participações diminuiu em 9.461 participações.


  • Em 2012 existiram menos 1.494 participações de crimes de violência doméstica, em relação a 2011, o que representou uma diminuição de 6,3%.
  • Em relação a furtos em residência com arrombamento, escalamento ou chaves falsas registaram-se 25.148 participações, o que significa uma diminuição no número de participações de 2.091 participações, consubstanciando uma diminuição de 11,1% em 2012 face a 2011.
  • 15.755 foi o número de crimes de ameaça e coação participados, o que face a 2011 resultou numa diminuição residual de 53 participações, representando-se por uma diminuição em relação a 2011 de 0,3%.
  • Nos furtos em edifícios comercias e industriais com arrombamento, escalamento ou chaves falsas, comparando com 2011 assinalaram-se menos 3.048 participações, representando assim uma diminuição de 19,8% na participação deste tipo de crimes em 2012.
  • Durante o ano de 2012 registaram-se 11.000 participações de furto por carteirista em Portugal, menos 325 participações face a 2011.


  • Os crimes contra o património (218.236) e contra as pessoas (86.548) foram os mais significativos na criminalidade participada a nível nacional no ano de 2012.


 
 

Criminalidade por Área Geográfica

  • No respeitante a distritos Lisboa foi aquele onde a criminalidade foi mais participada, tendo-se verificado na totalidade 101.844 participações.
  • O distrito de Lisboa registou um peso relativo de cerca de ¼ da criminalidade registada.
  • Foi em Lisboa, conjuntamente com Porto e Setúbal que se verificaram metade do total dos crimes participados.
  • Em relação à criminalidade violenta e grave os distritos de Lisboa, Porto e Setúbal representaram, em 2012, 71% do total das participações deste tipo de crimes, confirmando assim que este tipo de criminalidade é iminentemente urbano, apresentando uma especial incidência nas Áreas Metropolitanas.
  • Na comparação com o ano de 2011 o total de participações dos crimes violentos e graves os distritos onde se assistiu a uma diminuição foram o distrito de Lisboa (-1.384 casos; -12,5%), Setúbal (-507 casos; -15,8%), região autónoma da Madeira (-76 casos; -22,2%), Aveiro (-58 casos; -7,9%) e Braga (-54 casos; -5,8%).
  • Em sentido contrário estiveram os distritos de Leiria (+95 casos; +18,2%), Coimbra (+71 casos; +15,7%), Castelo Branco (+33 casos; +32,4%), Guarda (+32 casos; +43,8%).
  • No que diz respeito às grandes categorias de crimes, os crimes contra as pessoas representaram 21,9% de peso relativo no global da criminalidade participada.
  • As regiões da Madeira e dos Açores, e os distritos de Évora, Portalegre e Bragança foram as cinco primeiras regiões onde se verificou um peso relativo dos crimes contra pessoas, superior à média nacional.
  • Os crimes contra o património assumiram um peso relativo de 55,1%, e os distritos onde esse peso relativo foi maior face à média nacional foram Coimbra, Lisboa, Setúbal, Faro e Leiria respetivamente.
  • O distrito de Coimbra destacou-se, pela negativa, com um peso relativo significativo no valor de 61,9%, em oposição aos valores registados na Região autónoma da Madeira e no distrito de Vila Real.
  • Com cerca de 13% de peso relativo face à totalidade dos crimes, os crimes contra a vida em sociedade apresentaram um maior peso relativo no norte do país e na Região autónoma da Madeira.
  • Vila Real destacou-se como sendo o distrito onde o peso relativo dos crimes contra a vida em sociedade é maior face à média nacional, apresentando valores próximos dos 28%, tendo Coimbra e Setúbal sido os distritos onde os crimes contra a vida em sociedade registaram um peso relativo mais baixo.
  • A criminalidade em legislação penal avulsa, registou em Portugal, um peso relativo de 7,9%. Lisboa foi o local onde esta categoria apresentou um peso relativo maior, no valor de 8,9%.
  • Os distritos de Coimbra e de Vila Real foram as zonas onde o seu peso relativo foi menor.

Discriminação por Tipo de Roubo

Roubos a postos de abastecimento de combustível

  • No ano de 2011 registaram-se 250 participações deste tipo de crime, ao invés, no ano de 2012 registaram-se somente 232 participações, o que representa uma diminuição de 7,2% face a 2011.
  • Lisboa e Porto registaram 47% do total das participações, sendo que com Braga, Setúbal e Faro, estes cinco distritos concentram ¾ das participações.
  • Nesta tipologia de crime, o meio de coação mais utilizado foi a ameaça com arma de fogo.
  • Os assaltos a bombas de gasolina têm maior incidência no período entre as 20h00 e as 00h00, registando-se 53,7% dos assaltos.
  • Em 57% dos casos o veículo ligeiro foi o meio de fuga mais utilizado
  • Em mais de metade das ocasiões os valores roubados não ultrapassaram os 250€, só em 10% dos casos, o valor roubado excedeu os 1.000€.

Roubo a residências

  • Em 2012 ocorreram 995 participações por roubo a residência, o que na comparação com o ano de 2011 representa um aumento de 35,7%.
  • O distrito de Lisboa foi o local com maior número de participações, seguido pelos distritos do Porto e Setúbal, no seu conjunto, estes três distritos representam 60% das participações.
  • Em 2012, em mais de metade das ocasiões, este crime foi praticado por um indivíduo (52,8%).
  • Na maioria dos casos o meio de coação utilizado foi o de coação verbal de ameaça física ou psicológica (73,5%).
  • Em 34% das ocasiões, o produto do roubo não foi superior a 250€.

Roubos a farmácias

  • Em 2012 foram registados 82 roubos a farmácia, o que representa face a 2011, uma redução de 23,4%.
  • O maior número deste tipo de crimes ocorreu nos distritos de Lisboa, Porto, Braga e Setúbal, os quais no seu conjunto representaram 85% do total.
  • O roubo a farmácias foi, maioritariamente, um crime praticado por 1 indivíduo (58,2%).
  • A arma de fogo foi o meio de coação preferencialmente utilizado pelos criminosos, ainda que em muitas das ocasiões não tenha sido usado qualquer tipo de arma.
  • Em 61% dos assaltos, o valor roubado foi até 250€, sendo reduzido o número de casos em que o valor roubado foi superior a 1.000€ (2,4%).

Roubo a ourivesarias

  • No roubo a ourivesarias, em 2012 registaram-se mais 27 participações que em 2011, perfazendo um total de 164 participações, representando um aumento de 19,7%
  • Lisboa, Porto e Setúbal registaram 3/4 do total de participações, seguindo-se Braga, Santarém e Faro.
  • Este tipo de crime foi executado, na maioria das ocasiões, por um individuo (47%) ou dois indivíduos (24%), apenas em ¼ dos casos se pode considerar que foi praticado em grupo.
  • A ameaça com arma de fogo foi o meio de coação mais utilizado, aproximadamente em 50% das ocasiões.
  • Em termos globais, em cerca de 31% dos casos os assaltos renderam mais de 2.000€.
Roubo a viaturas
  • Durante o ano de 2012, foram roubadas 341 viaturas, o que representa menos 51 viaturas roubadas face a 2011, correspondendo a uma diminuição de 13%.
  • Lisboa e Porto registaram 64,2% das participações no seu conjunto.
  • Na maioria das ocasiões, este crime foi executado por um individuo (38,5%), ou dois indivíduos (27,8%), tendo a prática deste crime sido executada por grupos numa percentagem de assinalar (33,7%).
  • Em mais de metade das ocasiões (53%), o roubo foi executado com recurso à coação, sem que tenha sido utilizada qualquer tipo de arma.
  • Na esmagadora maioria dos roubos os suspeitos levaram a viatura do lesado (87,8%).





© 2017 SEGURANÇA ONLINE TODOS OS DIREITOS RESERVADOS