banner
Segurança e Saúde no Trabalho

Principais dados estatísticos nacionais e internacionais disponíveis sobre segurança e higiene no trabalho.

Acidentes de trabalho mortais (2013)

  • Em 2013, 141 trabalhadores perderam a vida em acidentes de trabalho.
  • No ano passado morreram em média cerca de 12 trabalhadores por mês devido a acidentes de trabalho.
  • O distrito do Porto registou novamente o número mais elevado de acidentes de trabalho mortais, mais concretamente 16, sendo que face a 2012 houve um decréscimo, uma vez que se tinham verificado 25 mortes devido a acidentes de trabalho.
  • Lisboa é o segundo distrito com mais acidentes de trabalho mortais, 15 no total, sendo que o distrito de Santarém vem logo a seguir com 14 acidentes de trabalho mortais.
  • O distrito de Vila Real foi aquele onde se verificou o menor número de acidentes de trabalho mortais, somente 1.
  • A Pancada por um objeto em movimento, ou através da colisão com um objeto em movimento, incluindo veículos, ou também através da colisão com uma pessoa foram as principais causas que estiveram na origem de acidentes de trabalho mortais, mais especificamente em 24 acidentes.
  • Como origem de 23 acidentes de trabalho mortais surge igualmente a entalação, esmagamento ou arranque de um membro do corpo.
  • No que diz respeito ao setor de atividade com mais acidentes de trabalho mortais, o setor da construção continua a liderar, com 34 acidentes mortais.
  • Em seguida surgem os acidentes de trabalho mortais verificados nas indústrias transformadores, 32 no total.
  • Por último, no setor da Agricultura, Produção Animal, Caça, Floresta e Pesca registaram-se 17 acidentes de trabalho mortais.

 




Balanço 2003 - 2013

  • Nestes últimos dez anos, a tendência geral dos acidentes de trabalho mortais é de descida, sendo que se registaram subidas homólogas nos anos de 2004, 2007, 2010 e 2011.
  • De realçar que em 2004 registaram-se 197 acidentes de trabalho mortais, o número mais elevado da última década, seguido dos 181 verificados em 2003 e dos 165 verificados em 2005.
  • Os números mais baixos de acidentes de trabalho mortais na última década surgiram em 2009, com 115 acidentes mortais, em 2008, onde se registaram 120 acidentes e 2010 que contou com 130 acidentes de trabalho mortais.
  • Tanto o mês de maio, como o mês de julho são tendencialmente aqueles em que ocorrem mais acidentes de trabalho, 15 em média.
  • Por outro lado, o mês de dezembro é claramente aquele em que ocorrem menos acidentes, 8 em média.




Locais dos Acidentes

  • No que diz respeito ao número total de acidentes de trabalho por 100.000 trabalhadores em 2010, a região Norte (6.098 acidentes) registou um maior número de acidentes de trabalho, seguida da região Centro (5.259 acidentes). 
  • Relativamente ao número de acidentes de trabalho não mortais, a região Norte foi aquela que apresentou um maior índice deste tipo de acidentes (6.094 acidentes). Os Açores destacam-se por serem o arquipélago com o menor número de acidentes de trabalho não mortais em 2010.
  • Quanto aos acidentes de trabalho mortais, salienta-se a Madeira como o arquipélago que registou em 2010 um maior número de acidentes de trabalho que vitimaram mortalmente os trabalhadores (6,5). 


 

Perfil dos Acidentados

  • Dos 215.632 acidentes de trabalho registados em 2010, 74% envolveram elementos do sexo masculino.
  • Do total das vítimas de acidentes de trabalho, 189.409 são trabalhadores por conta de outrem, o que representa a maior fatia da situação profissional.
  • A faixa etária dos 35-44 anos foi a que sofreu um maior número de acidentes de trabalho (59.319 acidentados).
  • Dos 215.632 acidentes de trabalho registados em 2010, 204.936 foram sofridos por portugueses, 3.275 por trabalhadores de outros país e 3.030 por indivíduos oriundos do Brasil. 
  • Em 2010, e de acordo com o número de acidentes de trabalho segundo a dimensão da empresa empregadora, verificou-se que as empresas com 1-9 trabalhadores foram aquelas onde se assistiu a um maior número de acidentes de trabalho (58.294 acidentes).
  • Os operários da construção são os que mais sofrem acidentes de trabalho mortais.
  • Os trabalhadores das indústrias transformadoras são os que mais sofrem acidentes de trabalho não mortais. 


 
 

Causas dos Acidentes

  • Mais de um 1/3 dos acidentes mortais são provocados por quedas em altura. O “escorregamento ou hesitação com queda, queda de pessoa” é a segunda maior causa de morte no trabalho, e verificou-se em 20,5% dos acidentes com vítimas mortais.
  • Em 49,1% dos acidentes de trabalho ocorrem devido à perda total ou parcial do controlo de máquinas, meios de transporte ou outros equipamentos ou ferramentas manuais.


 

Períodos Temporais

  • A terça-feira foi o dia da semana no qual se verificaram mais acidentes com vítimas mortais: 19 no total.
  • Os períodos horários em que ocorreram mais acidentes foram o das 10h00 (29.860 acidentes – 12,4 %) e o das 16h00 (29.185 acidentes – 12,2 %).
  • Em 2008 os meses em que se verificaram mais acidentes foram Setembro (25.420 acidentes – 10,6%) e Outubro (25.233 acidentes – 10,5%). O terceiro mês com mais acidentes foi Fevereiro (23.460 – 9,5%).

Acidentes e Entidades Empregadoras

  • 69,2% dos acidentes mortais deram-se em entidades que empregavam entre 1 e 49 pessoas. Nestas destacam-se as empresas que empregam entre 1 e 9 pessoas que registaram 38,2% do total do número de acidentes. As empresas que empregam 250 ou mais trabalhadores foram as que registaram menos acidentes mortais, com 11,3%.
  • 29,7% dos acidentes não mortais acontecem em entidades que empregam entre 10 a 49 pessoas. As entidades com 250 ou mais empregados registam um número menor de acidentes, com 22,4% do total.

Prejuízos Causados

  • O setor onde os acidentes de trabalho tiveram um impacto maior foi nas “Atividades administrativas e dos serviços de apoio”, onde se verificaram 12.525 acidentes por cada 100.000 trabalhadores.
  • Os 7.156.003 dias de trabalho perdidos devido a acidentes de trabalho traduziram-se numa média de quase 41 dias por acidente.
  • Só na atividade da Indústria transformadora foram perdidos 2.107.829 dias nos 55.219 acidentes que motivaram a ausência por parte dos acidentados.
  • 72,9% dos acidentes de trabalho não mortais causaram dias de ausência por parte dos trabalhadores.
  • As actividades “imobiliárias”, “financeiras e de seguros” e as “artísticas, de espetáculos, desportivas e recreativas” estão abaixo da média. Os acidentes só causam dias de ausência em 54,7%, 57,9% e 58,9% dos casos, respetivamente.

 

 

Portugal e o Resto do Mundo




© 2017 SEGURANÇA ONLINE TODOS OS DIREITOS RESERVADOS