banner
Trabalhos em Altura

 

As quedas em altura constituem a causa mais comum de lesões e mortes na indústria da construção. Entre as principais causas de acidentes estão os andaimes ou plataformas sem guardas de segurança, ausência de um arnês de segurança corretamente colocado, telhados frágeis e escadas que não são adequadamente apoiadas, posicionadas e fixadas.



Andaimes

O andaime é considerado uma construção e proteção coletiva provisória, podendo ser fixa ou móvel, e que serve como ferramenta auxiliar para a execução das obras. Os andaimes devem ser instalados por pessoal devidamente formados e competentes.

A utilização de andaimes é obrigatória nas obras de construção em que os trabalhadores laborem a mais de 4 m de altura. Os andaimes a partir de 8 m de altura obrigam à existência de um responsável pelo seu cálculo, estabilidade, execução e consequente manutenção.

As causas mais frequentes de acidentes em/com andaimes são devidas a:

  • Desequilíbrio ou afundamento do andaime
  • Ruptura da plataforma
  • Queda por perda de equilíbrio do trabalhador
  • Queda de materiais, ferramentas ou ruptura do material

 

Medidas Preventivas

  • A zona de implantação dos andaimes deve ser protegida com meios de balizagem ou com uma vedação e sinalizada com o aviso de perigo queda de objetos, tendo em vista isolar o local dos trabalhos.
  • Sempre que os andaimes sejam montados em locais de passagem de peões, devem ser criados corredores de passagem devidamente iluminados e sinalizados.
  • Em locais de passagem, sempre que haja o risco de queda de materiais, deve ser colocada uma Rede de Segurança.
  • Os andaimes montados junto da passagem de veículos ou em locais de manobras de máquinas devem ser sinalizados tanto durante o dia como de noite; para além desta sinalização podem ser ainda colocados obstáculos de pedra, betão ou mesmo uma estrutura metálica.
  • Durante os trabalhos de montagem e desmontagem de andaimes, os trabalhadores devem usar os necessários equipamentos de proteção individual, nomeadamente para trabalhos em altura: capacete de proteção; sistema de amarração ao posto de trabalho e sistema anti-quedas (quando houver risco de queda do trabalhador); luvas de proteção mecânica e botas de proteção mecânica.
  • No caso dos andaimes fixos, as bases dos prumos devem assentar sobre apoios sólidos e estáveis, tais como, escoras (pranchões ou vigas) de madeira. Se forem móveis, os andaimes deverão ter montadas na base, ao nível das rodas, barras estabilizadoras em diagonal, para tornar o conjunto mais estável. As rodas montadas nos andaimes de pés móveis deverão obrigatoriamente estar equipadas com um sistema de travão.
  • Na montagem dos andaimes não se deve iniciar o tramo superior sem estarem terminados os níveis inferiores com todos os elementos de estabilidade.
  • Os elementos de união devem encontrar-se devidamente apertados/justapostos, promovendo a melhor fixação entre as restantes peças do andaime.
  • Todos os elementos constituintes de um andaime que denotem alguma deficiência devem ser substituídos de imediato.
  • Os andaimes de construção devem ser fixados à edificação, ou a outra estrutura fixa existente, tendo em vista a necessidade de contraventamento da estrutura.


 

Utilização das Plataformas de trabalho

  • Com o objetivo de proteger os utilizadores das plataformas de trabalho, devem montar-se proteções tais como guarda-corpos, uma guarda intermédia e o rodapé.
  • As plataformas de trabalho deverão ter a largura suficiente para o trabalhador mover-se e efectuar o seu trabalho livremente, encontrando-se para isso as travessas de apoio totalmente preenchidas.
  • O acesso entre plataformas de trabalho, nos andaimes, deve ser feito por escadas montadas em estruturas independentes, que permitam uma transposição fácil dos vãos a vencer.
  • Nas plataformas de trabalho, só é permitido o armazenamento do material de utilização imediata para evitar sobrecargas e roturas da plataforma. No final de cada jornada de trabalho todos os materiais devem ser retirados, efetuando-se a limpeza necessária das plataformas de trabalho.
  • No caso dos andaimes móveis, não se deve transportar pessoas e/ou materiais sobre os andaimes durante o deslocamento da estrutura.
  • Não se deve arremessar materiais a partir das plataformas de trabalho. As cargas e materiais devem ser içados e descidos com o auxílio de roldanas devidamente fixadas a uma estrutura rígida.
  • Sempre que na utilização de andaimes os equipamentos de proteção coletiva não sejam eficazes ou a sua montagem não seja possível, os trabalhadores devem usar equipamentos de protecção individual (arnês + sistema anti-quedas).

 

Terminologia

  • Montante: elemento vertical do andaime
  • Prumo: montante transmissor das cargas aos apoios do andaime
  • Diagonal: elemento disposto obliquamente segundo diversos planos de andaime, destinado a assegurar o contraventamento
  • Longarina: elemento horizontal disposto longitudinalmente à estrutura
  • Travessa: elemento horizontal (cruzeta) disposto no sentido perpendicular da longarina
  • Escora: dispositivo de ancoragem composto por um tubo e uma rosca, cujo funcionamento bloqueia o vão
  • Vão: parte compreendida entre 2 filas consecutivas de prumos ou de montantes
  • Plataforma: superfície de circulação e de trabalho, realizada em madeira, metal ou outro material.


 

Escadas

A utilização de escadas portáteis deve revestir-se de alguns cuidados prévios que têm a ver, nomeadamente, com a escolha do tipo de escada mais adequado ao tipo de trabalho, com o estado de conservação da mesma e com a resistência da superfície de apoio.

 

Colocação, Posicionamento e Fixação da escada

  • A escada deve ser colocada de forma a que a base fique apoiada em pontos solidamente fixos, que a impeçam de deslizar.
  • Em nenhuma circunstância a escada pode ficar assente sobre materiais soltos, caixotes ou outros objectos que possam vir a provocar a sua instabilidade ou oscilação.
  • Sempre que não seja possível colocar a base dos montantes sobre um plano horizontal fixo, devem usar-se estabilizadores ou pés reguláveis.
  • No caso de colocar uma escada apoiada numa fachada ou estrutura, para subida a um terraço ou plataforma, aquela deve ficar com cerca de 1 metro acima da referida estrutura.
  • O topo da escada deve ser seguro preferencialmente a pontos existentes, solidamente fixos.
  • Sempre que a escada não esteja fixa a partir do solo, na primeira subida (e na última descida) deve ser mantida segura por um trabalhador colocado na sua base.
  • Não havendo no topo um ponto de amarração suficientemente sólido, deve proceder-se à imobilização da escada a partir do solo.

 

Utilização da escada

  • Na subida olhar sempre para cima, para evitar bater com a cabeça em obstáculos que se encontrem no seu caminho.
  • As mãos devem estar livres; só assim é garantida a regra dos 3 pontos de apoio (1 mão + 2 pés ou 2 mãos + 1 pé).
  • A descida deve ser sempre efetuada de frente para a escada. Não passar mais que um degrau de cada vez, nem saltar da escada para o solo.
  • Os materiais e ferramentas devem ser transportados numa bolsa ou utilizando uma corda de serviço; em nenhuma circunstância devem ser transportados nas mãos.
  • Durante a utilização da escada não deve permanecer mais do que um trabalhador sobre a mesma, excepto em circunstâncias de salvamento, em que pode subir outro, para o resgatar.

 

No posto de trabalho

  • A altura da escada deve ser a suficiente de modo que o trabalhador não necessite de subir para além do 4.º degrau a contar do topo.
  • Concluída a subida, em alturas superiores a 3 metros, fixar o anti-quedas num ponto solidamente fixo e procurar a melhor posição para a execução do trabalho.
  • Prender-se com a corda de amarração (corda com regulador) em torno de um ponto fixo cuja resistência foi previamente verificada.
  • O corpo do trabalhador não deve ultrapassar lateralmente os montantes da escada (excepto nas de encaixar) para não provocar a instabilidade da mesma.
  • As ferramentas ou equipamentos que estão a ser usadas não devem colocar-se nos degraus; para tal, utilizar preferencialmente, cordeletas de ligação das ferramentas ao arnês e, alternativamente, sacos, bolsas ou abraçadeiras com anéis.

 

Equipamento de Proteção Individual

  • Capacete de proteção
  • Sistema anti-quedas (alturas superiores a 3m)
  • Sistema de amarração ao posto de trabalho
  • Botas de proteção mecânica
  • Luvas de proteção mecânica / isolantes (consoante o tipo de trabalho)


 

Telhados (cobertura de edifícios)

Trabalhar em telhados pode ser perigoso e é fundamental que existam normas de segurança rigorosas, tanto para trabalhos a longo prazo como para trabalhos a curto prazo.

 

Prevenção de quedas

Devem ser adoptadas medidas preventivas sempre que há risco de queda ao aceder a, trabalhar em ou descer de um telhado. Devem ser tomadas medidas de proteção coletiva contra os riscos de queda com base nos resultados das avaliações dos riscos, antes de serem tomadas medidas de proteção individual.

Qualquer proteção contra quedas (como sejam os guarda-corpos) deve ser suficientemente resistente para impedir ou travar quedas e impedir que os trabalhadores sofram danos. As medidas de prevenção de quedas devem ser postas em prática antes de se iniciar o trabalho em altura e mantidas até à conclusão do mesmo. Durante a realização de trabalhos em telhados, devem ser tidas em conta as condições atmosféricas, já que o gelo ou o tempo húmido ou ventoso podem aumentar significativamente o risco de queda de pessoas ou materiais.

 

Medidas Preventivas

  • Verificar de que material é feita a cobertura e o seu grau de robustez.
  • Em coberturas inclinadas ou cuja superfície ofereça perigo de escorregamento, utilizar escadas de telhado ou tábuas de rojo.
  • Em telhados de fraca resistência aplicar plataformas robustas e apoiadas em locais sólidos, no sentido de distribuir o peso do trabalhador por uma maior superfície.
  • Impedir que o trabalhador se apoie em pontos frágeis.
  • Colocar guarda-corpos e tábuas de pé na periferia da cobertura, quando os trabalhos se desenvolvam neste local.
  • Sinalizar e delimitar as aberturas com guarda-corpos
  • Em trabalhos de curta duração, a utilização de equipamento de protecção anti-quedas poderá ser suficiente.


 

Lista de verificações de segurança para Trabalhos em Altura

1. Avaliou os riscos dos trabalhos em altura?

2. Teve em consideração os trabalhos ocasionais?

3. Teve em consideração os vários empregadores que possam estar implicados nos mesmos trabalhos?

4. Teve em consideração os trabalhadores temporários?

5. Tem capacidade para prestar aconselhamento em matéria de métodos de trabalho e equipamentos necessários?

6. Garantiu formação e tem um controlo adequado dos trabalhadores em matéria de segurança, na montagem, manutenção e utilização dos equipamentos?

7. Todas as aberturas estão devidamente protegidas e dispõem de meios de acesso seguros, incluindo as áreas a que é necessário aceder para proceder a trabalhos de manutenção?

8. Efetuou uma avaliação dos materiais frágeis, tais como elementos de coberturas?

9. Todos os sinais de aviso e/ou proibição estão colocados nos pontos de acesso aos materiais frágeis?

10. Eliminou os trabalhos em altura, sempre que possível?

11. Escolheu os equipamentos correctos?

12. Instalou plataformas de acesso e de trabalho fixas, por exemplo, pórticos e escadas fixas?

13. Utiliza corretamente as plataformas elevatórias?

14. Utiliza andaimes fixos ou andaimes móveis, com rodapés e guarda-corpos?

15. Utiliza (correctamente e sujeitas a uma boa manutenção) escadas adequadas?

16. Os trabalhadores utilizam cintos ou arnês de segurança como equipamento de proteção individual?

17. Garante que os cabos, as estruturas de fixação e de apoio dos cintos ou arneses são adequadas e compatíveis?

18. Garante que o equipamento é regularmente examinado e sujeito a manutenção, de acordo com o DL 50/2005, de 25.02?

 

Fontes: ACT, REN e Agência Europeia para a Segurança e a Saúde no Trabalho




© 2017 SEGURANÇA ONLINE TODOS OS DIREITOS RESERVADOS